Baiana de corpo e alma e paulistana por opção. Jornalista, corredora, mãe de dois, esposa, escritora e influenciadora digital. Ligada no 220v, mas amante da preguiça, do vinho, de uma boa cozinha e de Wi-Fi. Viajante de carteirinha: por terra ou por ar, correndo ou pedalando, com os filhos ou sem eles. Mulher, mãe e dona das próprias vontades.

Um Comentário

  1. Nádya Argôlo
    junho de 2012 @ 23:35

    Adorei filha… Vc adorava plantar sementinhas nos potinhos vazios de danoninho… e ainda caroços de feijão nos algodões embebidos em água nas caixinhas de fósforo…
    Muito legal esse post… parabéns… o texto está muito bacana. Tb me lembrei de seu avô Evaldo limpando as praias em Mar Grande…saia da Ihota passava pela Gamboa e ia até a Penha. Os sacos voltavam cheios de lixo jogados nas praias…Beijos.

    Reply

Comente!